quinta-feira, 12 de junho de 2014

Jovem famoso pelo seu cartaz na JMJ se converte!



JMJ.coversaoEduardo Campos, o jovem evangélico que surpreendeu todos na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), quando exibiu um cartaz no qual dizia ao Papa Francisco que o amava e lhe pedia que rezasse por ele e pelo Brasil, converteu-se ao catolicismo. No último domingo, festa de Pentecostes, ele recebeu o Batismo e a Primeira Comunhão.
Eduardo tem 19 anos e ficou conhecido em julho de 2013, quando apareceu na televisão com um cartaz que dizia: “Santo Padre, sou evangélico, mas eu te amo!! Ore por mim e pelo Brasil! Tu és Pedro”.
Depois dos intensos dias da JMJ, na qual mais de três milhões de jovens acompanharam o Santo Padre no Rio de Janeiro, Eduardo iniciou seu processo de conversão e, em dezembro, tomou a decisão de converter-se à fé católica.
No domingo passado, quase um ano após a JMJ, o jovem recebeu o Batismo e a Primeira Comunhão, acompanhado dos seus familiares e amigos, na Igreja Nossa Senhora da Conceição, em Santa Cruz (RJ).
Sobre sua conversão, Eduardo conversou com o blog Fabiano Marta Tobias, no qual relata que, durante a JMJ, “O sentimento de felicidade me contagiou! A unidade da Igreja nos revela sua missão, de onde Ela vem e para onde Ela vai e quem Ela é”.
Após comentar que a renúncia de Bento XVI o questionou fortemente, meses antes da JMJ do Rio, o jovem contou que pede a Deus “que Ele me ilumine e mostre minha vocação, seja qual for. Eis-me aqui Senhor, fazei segundo a vossa vontade! Sou um humilde e simples operário na vinha do Senhor”.
Eduardo incentiva os católicos a estudar o Catecismo da Igreja, que “é fundada numa rocha inabalável. Cristo, Seu fundador permanece com Ela até hoje e permanecerá com Ela para sempre!”.

JMJ-2016

Ele também conta que está economizando dinheiro para ir à próxima JMJ, que será em Cracóvia (Polônia) em 2016, e convida os jovens a continuarem “firmes e fortes na Fé Católica. Estudem sempre sobre nossa Igreja. Conheça a vida dos Santos e Santas, dos mártires, dos doutores da Igreja. Conheça mais sobre a Cristandade, sobre as Sagradas Escrituras, sobre a Sagrada Tradição, sobre a Santa Missa. Façam o ide de Jesus que é de ‘fazer discípulos em todas 

Papa envia mensagem sobre a Copa do Mundo.




Queridos amigos,

É com grande alegria que me dirijo a vocês todos, amantes do futebol, por ocasião da abertura da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.
A minha esperança é que, além de festa do esporte, esta Copa do Mundo possa tornar-se a festa da solidariedade entre os povos. Isso supõe, porém, que as competições futebolísticas sejam consideradas por aquilo que no fundo são: um jogo e ao mesmo tempo uma ocasião de diálogo, de compreensão, de enriquecimento humano recíproco. O esporte não é somente uma forma de entretenimento, mas também - e eu diria sobretudo - um instrumento para comunicar valores que promovem o bem da pessoa humana e ajudam na construção de uma sociedade mais pacífica e fraterna. Se, para uma pessoa melhorar, é preciso um “treino” grande e continuado, quanto mais esforço deverá ser investido para alcançar o encontro e a paz entre os indivíduos e entre os povos “melhorados”! É preciso “treinar” tanto…
O futebol pode e deve ser uma escola para a construção de uma “cultura do encontro”, que permita a paz e a harmonia entre os povos. E aqui vem em nossa ajuda uma segunda lição da prática esportiva: aprendamos o que o “fair play” do futebol tem a nos ensinar. Para jogar em equipe é necessário pensar, em primeiro lugar, no bem do grupo, não em si mesmo. Para vencer, é preciso superar o individualismo, o egoísmo, todas as formas de racismo, de intolerância e de instrumentalização da pessoa humana. Não é só no futebol que ser “fominha” constitui um obstáculo para o bom resultado do time; pois, quando somos “fominhas” na vida, ignorando as pessoas que nos rodeiam, toda a sociedade fica prejudicada.
A última lição do esporte proveitosa para a paz é a honra devida entre os competidores. O segredo da vitória, no campo, mas também na vida, está em saber respeitar o companheiro do meu time, mas também o meu adversário. Ninguém vence sozinho, nem no campo, nem na vida!

Fonte: cnbb.


sábado, 7 de junho de 2014

ANGOLA- EX-SEMINARISTAS ESPIRITANOS EM VÉSPERAS SOLENE DE PENTECOSTES.

Foto: Ex Seminaristas espiritanos, rezando vésperas solenes na Missão do Quando com os Padres e fiéis residentes.

Em Angola, um grupo de ex-seminaristas espritamos se uniu hoje aos padres e fieis residentes na missão Católica da Cuando- Huambo, para juntos celebrar a festa do Pentecostes. De Salientar que, a missão do Cuando na Província do Huambo, está ao cuidados dos missionário espiritanos. 
A coordenação da Associação, os nossos parabéns.

domingo, 1 de junho de 2014

PAPA FRANCISCO PEDE QUE CARISMÁTICOS NÃO CONTROLEM DEUS.


Trata-se da primeira vez que um pontífice assiste à cúpula anual do movimento que habitualmente acontece em Rimini, no norte da Itália.
Papa Francisco acena ao deixar a Praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano

O papa Francisco pediu neste domingo aos integrantes da Renovação Carismática Católica (RCC) que sejam adoradores de Deus, mas não seus 'controladores', durante a da festa de 37 anos do movimento na Itália, realizado no Estádio Olímpico de Roma.
'Cuidado para não perder a liberdade que o Espírito Santo nos doou. O perigo para a Renovação é a da excessiva organização. Sim, ela é necessária. Mas não percam a graça de deixar Deus ser Deus. Não há graça maior que deixar-se guiar pelo Espírito Santo', advertiu.
Trata-se da primeira vez que um pontífice assiste à cúpula anual do movimento que habitualmente acontece em Rimini, no norte da Itália, mas que desta vez foi transferida para Roma para poder contar com a presença de Francisco.
O papa chegou ao estádio às 16h50 (horário local) (11h50, em Brasília), e foi recebido com o hino 'Hosana' por mais d 50 mil pessoas, segundo os organizadores.
Durante o ato, que durou uma hora, o papa reconheceu que, inicialmente, não era simpático a RCC, mas que, ao conhecer a atividade, se deu conta de que 'amavam a Igreja'.
O discurso do pontífice foi marcado por conselhos e recomendações constantes ao grupo.
'Espero de vocês uma evangelização com a palavra de Deus que anuncia que Jesus está vivo e ama todos os homens', disse.
Desde o começo do dia, o público esperava a chegada do bispo de Roma, intercalando rezas, canções e danças. Entre hoje e amanhã, o movimento celebra o que classifica de cúpula para a reflexão da renovação da Igreja.
'É uma emoção incrível. Estamos esperando que o papa se encontre com a Renovação já tem 47 anos', afirmou à Agência Efe uma das fiéis presentes no ato.
A RCC é um movimento da Igreja Católica que nasceu em um retiro de 30 estudantes e vários professores da Universidade de Duquesne, na Pensilvânia (Estados Unidos), em 1967, e se propagou com rapidez pelo país e pela América Latina.

MENSAGEM DO SANTO PADRE PARA O 48º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS.




48º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS - Comunicação ao serviço de uma autêntica cultura do encontro

1 de Junho de 2014 Mensagem do Santo Padre Francisco

Queridos irmãos e irmãs,
Hoje vivemos num mundo que está a tornar-se cada vez menor, parecendo, por isso mesmo, que deveria ser mais fácil fazer-se próximo uns dos outros. Os progressos dos transportes e das tecnologias de comunicação deixam-nos mais próximo, interligando-nos sempre mais, e a globalização faz-nos mais interdependentes. Todavia, dentro da humanidade, permanecem divisões, e às vezes muito acentuadas. A nível global, vemos a distância escandalosa que existe entre o luxo dos mais ricos e a miséria dos mais pobres. Frequentemente, basta passar pelas estradas duma cidade para ver o contraste entre os que vivem nos passeios e as luzes brilhantes das lojas. Estamos já tão habituados a tudo isso que nem nos impressiona. O mundo sofre de múltiplas formas de exclusão, marginalização e pobreza, como também de conflitos para os quais convergem causas económicas, políticas, ideológicas e até mesmo, infelizmente, religiosas.
Neste mundo, os mass-media podem ajudar a sentir-nos mais próximo uns dos outros; a fazer-nos perceber um renovado sentido de unidade da família humana, que impele à solidariedade e a um compromisso sério para uma vida mais digna. Uma boa comunicação ajuda-nos a estar mais perto e a conhecer-nos melhor entre nós, a ser mais unidos. Os muros que nos dividem só podem ser superados, se estivermos prontos a ouvir e a aprender uns dos outros. Precisamos de harmonizar as diferenças por meio de formas de diálogo, que nos permitam crescer na compreensão e no respeito. A cultura do encontro requer que estejamos dispostos não só a dar, mas também a receber de outros. Os mass-media podem ajudar-nos nisso, especialmente nos nossos dias em que as redes da comunicação humana atingiram progressos sem precedentes. Particularmente a internet pode oferecer maiores possibilidades de encontro e de solidariedade entre todos; e isto é uma coisa boa, é um dom de Deus.
No entanto, existem aspectos problemáticos: a velocidade da informação supera a nossa capacidade de reflexão e discernimento, e não permite uma expressão equilibrada e correcta de si mesmo. A variedade das opiniões expressas pode ser sentida como riqueza, mas é possível também fechar-se numa esfera de informações que correspondem apenas às nossas expectativas e às nossas ideias, ou mesmo a determinados interesses políticos e económicos. O ambiente de comunicação pode ajudar-nos a crescer ou, pelo contrário, desorientar-nos. O desejo de conexão digital pode acabar por nos isolar do nosso próximo, de quem está mais perto de nós. Sem esquecer que a pessoa que, pelas mais diversas razões, não tem acesso aos meios de comunicação social corre o risco de ser excluído.
Estes limites são reais, mas não justificam uma rejeição dos mass-media; antes, recordam-nos que, em última análise, a comunicação é uma conquista mais humana que tecnológica. Portanto haverá alguma coisa, no ambiente digital, que nos ajuda a crescer em humanidade e na compreensão recíproca? Devemos, por exemplo, recuperar um certo sentido de pausa e calma. Isto requer tempo e capacidade de fazer silêncio para escutar. Temos necessidade também de ser pacientes, se quisermos compreender aqueles que são diferentes de nós: uma pessoa expressa-se plenamente a si mesma, não quando é simplesmente tolerada, mas quando sabe que é verdadeiramente acolhida. Se estamos verdadeiramente desejosos de escutar os outros, então aprenderemos a ver o mundo com olhos diferentes e a apreciar a experiência humana tal como se manifesta nas várias culturas e tradições. Entretanto saberemos apreciar melhor também os grandes valores inspirados pelo Cristianismo, como, por exemplo, a visão do ser humano como pessoa, o matrimónio e a família, a distinção entre esfera religiosa e esfera política, os princípios de solidariedade e subsidiariedade, entre outros.
Então, como pode a comunicação estar ao serviço de uma autêntica cultura do encontro? E – para nós, discípulos do Senhor – que significa, segundo o Evangelho, encontrar uma pessoa? Como é possível, apesar de todas as nossas limitações e pecados, ser verdadeiramente próximo aos outros? Estas perguntas resumem-se naquela que, um dia, um escriba – isto é, um comunicador – pôs a Jesus: «E quem é o meu próximo?» (Lc 10, 29 ). Esta pergunta ajuda-nos a compreender a comunicação em termos de proximidade. Poderíamos traduzi-la assim: Como se manifesta a «proximidade» no uso dos meios de comunicação e no novo ambiente criado pelas tecnologias digitais? Encontro resposta na parábola do bom samaritano, que é também uma parábola do comunicador. Na realidade, quem comunica faz-se próximo. E o bom samaritano não só se faz próximo, mas cuida do homem que encontra quase morto ao lado da estrada. Jesus inverte a perspectiva: não se trata de reconhecer o outro como um meu semelhante, mas da minha capacidade para me fazer semelhante ao outro. Por isso, comunicar significa tomar consciência de que somos humanos, filhos de Deus. Apraz-me definir este poder da comunicação como «proximidade».
Quando a comunicação tem como fim predominante induzir ao consumo ou à manipulação das pessoas, encontramo-nos perante uma agressão violenta como a que sofreu o homem espancado pelos assaltantes e abandonado na estrada, como lemos na parábola. Naquele homem, o levita e o sacerdote não vêem um seu próximo, mas um estranho de quem era melhor manter a distância. Naquele tempo, eram condicionados pelas regras da pureza ritual. Hoje, corremos o risco de que alguns mass-media nos condicionem até ao ponto de fazer-nos ignorar o nosso próximo real.
Não basta circular pelas «estradas» digitais, isto é, simplesmente estar conectados: é necessário que a conexão seja acompanhada pelo encontro verdadeiro. Não podemos viver sozinhos, fechados em nós mesmos. Precisamos de amar e ser amados. Precisamos de ternura. Não são as estratégias comunicativas que garantem a beleza, a bondade e a verdade da comunicação. O próprio mundo dos mass-media não pode alhear-se da solicitude pela humanidade, chamado como é a exprimir ternura. A rede digital pode ser um lugar rico de humanidade: não uma rede de fios, mas de pessoas humanas. A neutralidade dos mass-media é só aparente: só pode constituir um ponto de referimento quem comunica colocando-se a si mesmo em jogo. O envolvimento pessoal é a própria raiz da fiabilidade dum comunicador. É por isso mesmo que o testemunho cristão pode, graças à rede, alcançar as periferias existenciais.
Tenho-o repetido já diversas vezes: entre uma Igreja acidentada que sai pela estrada e uma Igreja doente de auto-referencialidade, não hesito em preferir a primeira. E quando falo de estrada penso nas estradas do mundo onde as pessoas vivem: é lá que as podemos, efectiva e afectivamente, alcançar. Entre estas estradas estão também as digitais, congestionadas de humanidade, muitas vezes ferida: homens e mulheres que procuram uma salvação ou uma esperança. Também graças à rede, pode a mensagem cristã viajar «até aos confins do mundo» (Act 1, 8). Abrir as portas das igrejas significa também abri-las no ambiente digital, seja para que as pessoas entrem, independentemente da condição de vida em que se encontrem, seja para que o Evangelho possa cruzar o limiar do templo e sair ao encontro de todos. Somos chamados a testemunhar uma Igreja que seja casa de todos. Seremos nós capazes de comunicar o rosto duma Igreja assim? A comunicação concorre para dar forma à vocação missionária de toda a Igreja, e as redes sociais são, hoje, um dos lugares onde viver esta vocação de redescobrir a beleza da fé, a beleza do encontro com Cristo. Inclusive no contexto da comunicação, é precisa uma Igreja que consiga levar calor, inflamar o coração.
O testemunho cristão não se faz com o bombardeio de mensagens religiosas, mas com a vontade de se doar aos outros «através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana (BENTO XVI, Mensagem para o XLVII Dia Mundial das Comunicações Sociais, 2013). Pensemos no episódio dos discípulos de Emaús. É preciso saber-se inserir no diálogo com os homens e mulheres de hoje, para compreender os seus anseios, dúvidas, esperanças, e oferecer-lhes o Evangelho, isto é, Jesus Cristo, Deus feito homem, que morreu e ressuscitou para nos libertar do pecado e da morte. O desafio requer profundidade, atenção à vida, sensibilidade espiritual. Dialogar significa estar convencido de que o outro tem algo de bom para dizer, dar espaço ao seu ponto de vista, às suas propostas. Dialogar não significa renunciar às próprias ideias e tradições, mas à pretensão de que sejam únicas e absolutas.

Possa servir-nos de guia o ícone do bom samaritano, que liga as feridas do homem espancado, deitando nelas azeite e vinho. A nossa comunicação seja azeite perfumado pela dor e vinho bom pela alegria. A nossa luminosidade não derive de truques ou efeitos especiais, mas de nos fazermos próximo, com amor, com ternura, de quem encontramos ferido pelo caminho. Não tenhais medo de vos fazerdes cidadãos do ambiente digital. É importante a atenção e a presença da Igreja no mundo da comunicação, para dialogar com o homem de hoje e levá-lo ao encontro com Cristo: uma Igreja companheira de estrada sabe pôr-se a caminho com todos. Neste contexto, a revolução nos meios de comunicação e de informação é um grande e apaixonante desafio que requer energias frescas e uma imaginação nova para transmitir aos outros a beleza de Deus.

Vaticano, 24 de Janeiro – Memória de São Francisco de Sales – do ano 2014.

FRANCISCUS

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Alegria de ser missionário.


 Quando o chamado está consciente e assume sua missão com amor, alegria transparece
Quatro jovens espiritanos de Angola, a alegres e dedicados.
 Da esquerda para direita: Pe. Albano, Saurimo- Angola
 Pe. Arnaldo- futuro missionário no Paraguay
 Pe. Alfredo- Caconda- Angola, e
 Pe. Euripides- Bengo-Angola.

“Queridos jovens: não tenhais medo
de Cristo! Ele não tira nada, ele dá tudo”.
  Bento XVI no início de seu pontificado)

VENHA VOCÊ TAMBÉM FAZER PARTE DA NOSSA FAMÍLIA RELIGIOSA.

Papa nomeia bispo para prelazia de Tefé (AM)

Na manhã de hoje, 14, o papa Francisco nomeou bispo da vacante prelazia de Tefé (AM), o padre Fernando Barbosa dos Santos, atual pároco da paróquia Nossa Senhora dos Remédios, em Fortaleza (CE). A prelazia de Tefé (AM) estava vacante desde dezembro de 2012, com a transferência de dom Sérgio Eduardo Castriani para a arquidiocese de Manaus (AM).
Padre Fernando Barbosa dos Santos será o quarto bispo da diocese. Ele nasceu no dia 5 de março de 1967 na cidade de Sertânia (PE). Estudou filosofia no Instituto de Filosofia dos Salesianos em Recife (PE) e, em 1991, concluiu os estudos teológicos no Instituto Regional de Pastoral em Belém-PA.
O padre foi pároco na Paróquia de Santo Antônio, em 1996, na cidade de Quixeramobim (CE). Atuou como diretor em dois seminários: em 1997, no Seminário propedêutico da Província de Fortaleza; e de 2000 a 2003, no Seminário de Teologia São Vicente de Paulo, em Belém (PA).
Em 2002, participou de uma formação de espiritualidade Vicentina, em Paris, França.
Até 2013 atuou como coordenador do Setor Oeste na Região São José, na arquidiocese de Fortaleza e, atualmente, é assessor do centro de Juventude da região São José, também, na arquidiocese de Fortaleza.
A prelazia de Tefé é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica no Brasil, pertencente à arquidiocese de Manaus, e ao regional Norte 1 (Norte do Amazonas e Roraima) da CNBB.

sexta-feira, 21 de março de 2014

PARABÉNS PADRE ARNALDO.

Hoje é o aniversário do nosso confrade Arnaldo Loureiro, espiritano angolano e  futuro missionário no Paraguay.Rezemos por ele, de modo especial pela nova etapa da sua vida missionária.
Votos da equipe do blog 300 anos de missão.

terça-feira, 18 de março de 2014

sábado, 8 de março de 2014

MULHER

Mulher, uma palavra, seis letras, um coração onde há espaço para todos.  Um coração que gera amor, carinho e cuidado. Mulher  é mãe, é amiga é companheira. Mulher! esse é o seu dia, claro é o dia de todos que te amam. Que esse dia desperte em todos nós o valor da mulher na construção de um mundo melhor.
Para todas as mulheres do mundo de modo especial a minha querida mãe Valentina, as minhas irmãs, Delfina, Isabel, Filomena, Paulina e Cristina todas as minhas queridas amigas e paroquianas desejo um dia 8 de Março cheio de felicidades.

Respeitosamente, o amigo de sempre 
   Pe. Inácio.

quarta-feira, 5 de março de 2014

Quaresma: Belíssima reflexão do Padre José Cssp.

  Quaresma: 40 passos para um caminho, 40 letras para uma frase, 40 escadas para subir, 40 minutos para escutar, 40 segundos para calar, 40 sorrisos para dar, 40 amigos para encontrar, 40 vezes para perdoar, 40 .... um tempo para sermos mais de Deus como são de Deus todos os que Ele ama..em especial os pobres a quem, também nós, queremos amar mais cada dia.... Não se tivesse Deus feito pobre em seu Filho Jesus Cristo, para nos salvar, do 1º ao ultimo dia, 40 ou mais que sejam... Eu quero deixar uma marca em cada dia... Santa Quaresma...
                                                                                          
                                                                                                  Texto Pe. José Manuel Sabença Cssp.        
                                                          

HOJE AS 19 HORAS NA PAROQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA- CRUZEIRO DO SUL ACRE


MISSA DE QUARTA FEIRA DE CINZAS E  ABERTURA DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE COM O TEMA: FRATERNIDADE E TRAFICO HUMANO

LEMA: É PARA LIBERDADE QUE CRISTO NOS LIBERTOU (Gl. 5,1)

Papa Francisco envia mensagem para a Campanha da Fraternidade 2014

Por ocasião da abertura da Campanha da Fraternidade 2014, que aborda o tema "Fraternidade e Tráfico Humano" e o lema "É para a liberdade que Cristo nos libertou",  o papa Francisco enviou mensagem aos bispos da CNBB e  a todos os fiéis das dioceses, paróquias e comunidades do Brasil. No texto, o papa afirma que o tráfico de pessoas é uma “uma chaga social”.
“Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano!”, destacou Francisco. 
Ao final da mensagem, Francisco concedeu bênção apostólica a todos os brasileiros desejando uma Quaresma de vida nova em Cristo.

Confira a íntegra da mensagem
Queridos brasileiros,
Sempre lembrado do coração grande e da acolhida calorosa com que me estenderam os braços na visita de fins de julho passado, peço agora licença para ser companheiro em seu caminho quaresmal, que se inicia no dia 5 de março, falando-lhes da Campanha da Fraternidade que lhes recordo a vitória da Páscoa: <<É para a liberdade que Cristo nos libertou>> (Gal 5,1). Com a sua Paixão, Morte e Ressurreição, Jesus Cristo libertou a humanidade das amarras da morte e do pecado. Durante os próximos quarenta dias, procuraremos conscientizar-nos mais e mais da misericórdia infinita que Deus usou para conosco e logo nos pediu para fazê-la transbordar para os outros, sobretudo aqueles que mais sofrem: <>. Neste sentido, visando mobilizar os cristãos e pessoas de boa vontade da sociedade brasileira para uma chaga social qual é o tráfico de seres humanos, os nossos irmãos bispos do Brasil lhes propõe este ano o tema “Fraternidade e Tráfico Humano”.
Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano! <> (Discurso aos novos Embaixadores, 12/XII/2013). Se, depois, descemos ao nível familiar e entramos em casa, quantas vezes aí reina a prepotência! Pais que escravizam os filhos, filhos que escravizam os pais; esposos que, esquecidos de seu chamado para o dom, se exploram como se fossem um produto descartável, que se usa e se joga fora; idosos sem lugar, crianças e adolescentes sem voz. Quantos ataques aos valores basilares do tecido familiar e da própria convivência social! Sim, há necessidade de um profundo exame de consciência. Como se pode anunciar a alegria da Páscoa, sem se solidarizar com aqueles cuja liberdade aqui na terra é negada?
Queridos brasileiros, tenhamos a certeza: Eu só ofendo a dignidade humana do outro, porque antes vendi a minha. A troco de quê? De poder, de fama, de bens materiais... E isso – pasmem! A troco da minha dignidade de filho e filha de Deus, resgatada a preço do sangue de Cristo na Cruz e garantida pelo Espírito Santo que clama dentro de nós:<< “Abbá, Pai!”>> (cf. Gal 4,6). A dignidade humana é igual em todo o ser humano: quando piso-a no outro, estou pisando a minha. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou! No ano passado, quando estive junto de vocês afirmei que o povo brasileiro dava uma grande lição de solidariedade; certo disso, faço votos de que os cristãos e as pessoas de boa vontade possam comprometer-se para que mais nenhum homem ou mulher, jovem ou criança, seja vítima do tráfico humano! E a base mais eficaz para restabelecer a dignidade humana é anunciar o Evangelho de Cristo nos campos e nas cidades, pois Jesus quer derramar por todo o lado vida em abundância (cf. Evangelii gaudium, 75).
Com estes auspícios, invoco a proteção do Altíssimo sobre todos os brasileiros, para que a vida nova em Cristo lhes alcance, na mais perfeita liberdade dos filhos de Deus (cf. Rm 8, 21), despertando em cada coração sentimentos de ternura e compaixão por seu irmão e irmã necessitados de liberdade, enquanto de bom grado lhes envio uma propiciadora Bênção Apostólica.
Vaticano, 25 de fevereiro de 2014.
Francisco

Abertura da Campanha da Fraternidade 2014

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) fez a abertura oficial da Campanha da Fraternidade de 2014 nesta Quarta-feira de Cinzas, dia 5 de março, às 14h, em sua sede em Brasília. Este ano, a campanha aborda o tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e o lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1).

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

DEUS NÃO FAZ TRUQUES DE MÁGICA PARA NOS ENTRETER.

" Apareceram os fariseus e começaram  a discutir com Ele e, para testa´-lo pediam-lhe um sinal do céu"
(Mc 8,11)

Senhor; não permitas que nos percamos maravilhados com os truques do mundo,com a fascinação do oculto. Sê nossa Rocha firme
e único referencial, e ensina-nos a confiar em teu amor. Amém

domingo, 16 de fevereiro de 2014

UM ENCONTRÃO QUE MARCOU A CAMINHADA DA FAMÍLIA ESPIRITANA NA AMÉRICA LATINA




Os espiritanos presentes na América Latina, Leigos(as) e religiosos(as), estão reunidos desde do dia 29 de janeiro de 2014, na casa de Retiro Irmãs Cabrini, em São Paulo. O grupo soma um número em torno de 110 membros da Família Espiritana. O tema do Encontrão nos fala sobre a Identidade e Missão espiritanas latino-americana para o mundo.

Alegria, abertura, entusiasmo deram o tom do nosso encontro, isto está fazendo com que o evento aconteça de maneira muito descontraída e ao mesmo tempo profunda.
Os quatro palestrantes, entre eles o Superior Geral, Pe. John Fogarty, abordaram temas como Espiritualidade dos fundadores, Identidade Espiritana nos novos ambientes e campos da missão no mundo de hoje, Espiritualidade e missão feminina da Família Espiritana na América Latina e Missão Espiritana e os novos desafios na América latina.
Alegria, abertura, entusiasmo deram o tom do nosso encontro, isto está faz com que o evento aconteça de maneira muito descontraída e ao mesmo tempo profunda.

Os quatro palestrantes, entre eles o Superior Geral, Pe. John Fogarty, abordaram temas como Espiritualidade dos fundadores, Identidade Espiritana nos novos ambientes e campos da missão no mundo de hoje, Espiritualidade e missão feminina da Família Espiritana na América Latina e Missão Espiritana e os novos desafios na América latina.
Quando se tratava da espiritualidade, foi destacado não o fazer, mas o ser do espiritano, marcado pela simplicidade, compromisso com os pobres, consciência de suas fraquezas e a confiança em Deus. Em outras palavras, Pe. José Costa, quem ministrava a palestra sobre espiritualidade, fala de uma espiritualidade que vai além dos documentos, da Regra de Vida, algo inerente ao ser de cada espiritano.

Irmã Ana Griffin, ao falar sobre a espiritualidade e missão feminina da família espiritana na América Latina, destacou a valorização da mulher e seu compromisso com luta pela a libertação. O Geral, John Fogarty, destacou a busca pelo sentido da esperança, testemunho da comunidade, sendo a esperança a base de todo horizonte.

E por último nos falou Dom Sérgio Castriani, Arcebispo de Manaus, que é membro da Província Espiritana do Brasil, ou seja, um espiritano apaixonado pela missão, destacando a missão espiritana e os novos desafios na América Latina. Dizia ele, nossa vocação é participar da missão de Cristo e ao se referir aos desafios, dizia que os desafios da missão dos espiritanos, são os desafios da missão da Igreja. E recordando as palavras do papa Francisco, Dom Sérgio dizia que um dos maiores desafios para missão hoje é a questão da formação.

Devemos ser missionários e missionárias que caminhem nas noites escuras com o povo, aquecendo o coração do povo. E por último Dom Sérgio destacou a importância dos espiritanos na Amazônia, pela a experiência e história de vida naquele chão. Os espiritanos se encontram região amazônica desde 1885, quando chegaram os primeiros espiritanos em Belém, e de lá até os dias de hoje nunca faltou a presença dos espiritanos naquela região. Grande é o número de missionários vindos de outros países e muito cedo, na flor de sua juventude perderam suas vidas, por causas de malárias, falta se assistência médica, e outros fatores, formando assim um grande cemitério, na Prelazia de Tefé, num lugar chamado Missão. Este lugar é sem dúvida, um lugar emblemático, quando se fala de missão naquela região. Hoje para os espiritanos a Igreja na Amazônia continua sendo um lugar privilegiado para viver a missão.

Este encontro irá até o dia 3 de fevereiro, e dele participam, espiritanos de vários lugares, como Bolívia, Paraguai, Alemanha, Irlanda, Roma, Portugal, Brasil e outros países do Continente Africano. Nossa esperança é saiamos daqui fortalecidos na partilha e no amor fraterno, no sentimento de pertença e animados para a missão.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

ESTAMOS DE VOLTA!

Depois de um bom tempo de ausência no mundo da informação e formação em matéria de religião, missão e outros, o nosso Blog volta ao ar, com uma nova cara. Pedimos desde já, aos nossos leitores, as nossas sinceras desculpas. No princípio, começaremos a divulgar um pouco o trabalhos dos missionários espiritanos no mundo e de modo especial no Vale do Juruá,- Acre, sem colocar de parte outras matérias de interesse dos nossos leitores.
Quer saber mais? vai em acompanhar no blog e receba toadas as nossas atualizações.
Pe. Inácio Sangueve Pacheco.Cssp.


MORRE O PADRE GUIDO LABONTÉ

Faleceu hoje padre Guido Labonté. Membro da Sociedade das Missões Estrangeiras (SME), padre Guido atuava na região amazônica desde 1991, quando fez parte da primeira equipe eclesial apostólica responsável por trabalhar em parceria com a Igreja do Prelado de Coari (AM). Nesta ocasião, o sacerdote prestou, juntamente com a equipe, serviços ministeriais e sociais como direitos humanos, Pastoral Carcerária e Pastoral da Criança.
Em 2004, foi convidado a atuar como diretor do Centro Cultural Missionário, em Brasília. Em 2009, voltou a trabalhar no Amazonas, na Área Missionária Santa Maria Goretti da Arquidiocese de Manaus (AM).
A SME foi fundada em 1921 pelos bispos da província de Quebec, no Canadá, para contribuir no anúncio do evangelho, por meio da solidariedade com outras igrejas e outros povos e da partilha de recursos matérias, humanos e espirituais. Na América Latina, a SME atua em Cuba, Honduras, Peru, Argentina, Chile e no Brasil.
Fonte: blogdacnbb